fbpx

Como lidar com o medo da escassez

A mentalidade de escassez tem a ver com os pensamentos e os sentimentos  onde você acredita que temos apenas um pedaço de bolo no mundo e você vai ficar sem. Esse tipo de sentimento, pensamento e mentalidade traz alguns impactos na sua vida e trabalho. Primeiro: você vai começar a lidar com inveja da vida do outro, do carro do outro, da viagem do outro, das dinâmicas e das redes sociais do outro. Você pode começar a lidar com inúmeros sentimentos de  frustração, pois afinal de contas você acredita que alguém já tomou o sorvete e você do lado de cá ficou apenas olhando. Além da inveja, o ressentimento pode crescer, pois você tem o senso de que alguém chegou primeiro e assim você se sente discriminado e preterido. Um outro desdobramento da mentalidade de escassez é você começar a  perceber  apenas o copo “meio vazio” com relação aos seus recursos, seus dons e suas habilidades, por isso é preciso reter e esconder! Quero pensar com você em quatro dicas poderosas para que você saia da mentalidade da falta para mentalidade de abundância.

1. Desenvolva pensamentos de apreciação.

Eu quero pensar em um exercício com você. Invista 5 minutos por dia, onde você só irá alimentar pensamentos de apreciação. Escolha uma situação da semana que foi memorável para você. Uma conversa com o filho, um abraço de um ente querido, um pôr do sol. Ao escolher esse evento da semana, aprecie durante 5 minutos esse acontecimento. Quando você faz isso, você diminui a atividade de desespero e fuga no cérebro, para uma ação de maior apreciação pensando em mais possibilidades do que em dificuldades. Você deixa os estados de ressentimento, frustração e senso de falta, para pensar na abundância do que você tem e na abundância de possibilidades. Há sete dias atrás eu conversava com uma pessoa que estava focada na perda de clientes, ou seja na escassez. Sua cabeça foi do céu ao inferno pensando em todas as tragédias e na falta do que ia passar. Paramos por um momento e começamos a listar os pontos que precisamos apreciar, ao invés da culpa e tragédia pela perda dos clientes. Naquele momento seu coração começou a se encher de esperança e sua mente deixou de ficar travada naquele caos e começou a pensar em possibilidades automaticamente. A Dra. Emiliana Simon-Thomas é diretora científica do Greater Good Science Center, e ela trabalha  para expandir a ciência da gratidão. “Minha formação é em neurociência, e é emocionante para mim ver um crescente corpo de literatura que mostra a gratidão como capaz de moldar o cérebro uma vez investindo na prática”. “Em estudos, depois de oito semanas de prática, as varreduras cerebrais de indivíduos que praticam gratidão têm uma estrutura cerebral mais forte para cognição social e empatia, além da parte do cérebro que processa recompensa”, afirmou Simon-Thomas

 

Chérie Scott diz: “A verdadeira abundância não vem da acumulação, mas da apreciação.” Muitas vezes as pessoas pensam que a abundância vem do  acumular, acumular e acumular. O senso de que temos em grande quantidade vem da apreciação. Existe um verso que diz: tudo que é bom, agradável, de boa fama, se alguma virtude há, se algum louvor existe seja isso que ocupe o seu pensamento. O que vai ocupar sua mente? Precisam ser os pensamentos de apreciação. Apreciar tem a ver com admirar e contemplar. Por vezes podemos agradecer, mas sem admirar o real valor daquilo que estamos estamos sendo gratos. Apreciar tem a ver com perceber o valor do que se tem.

2. Doe ao invés de reter

Viktor Frankl em setembro de 1942, por ser judeu, ele, sua mulher grávida e família foram conduzidos a diferentes campos de concentração. Viktor foi libertado somente no fim da Guerra, tendo conhecimento da morte de sua esposa, pais e irmão. Tendo passado tamanha situação de privação e escassez, ele poderia ter se fechado para mundo, para que assim, pudesse ficar protegido em seu castelo. Gosto de sua citação quando diz: “Nós que passamos pelos campos de concentração podemos lembrar de homens que andavam pelos alojamentos confortando e dando a outros o seu último pedaço de pão. Possivelmente os que tinham essa atitude poderiam ser poucos em número, mas deram provas suficientes de que tudo pode ser retirado de um homem, exceto uma coisa: a última de suas liberdades – o direito de decidir quais atitudes quer ter mediante as circunstâncias, o direito de decidir seu próprio caminho.” Como fruto de sua escassez, Viktor poderia ter se cerrado ao mundo em duros portões de ferro, mas sua vivência o ensinou que não se luta com o medo da escassez, contando gotas de amor, gotas de energia, gotas de vida, pelo contrário, ao invés de se contar todos os dias os recursos limitados, serve-se o outro e daí, possibilidades florescem. Doe tempo, doe conteúdo, doe escuta, doe dinheiro, doe pão.

3. Enfrente seu medo de perder

Lembra-se que disse sobre fazer a escolha do doar? Ao doar você enfrenta o medo de perder.  Tenha a seguinte mentalidade: você não está perdendo, você está semeando. E o que você semeia, você vai colher. Eclesiastes diz: Lança o teu pão sobre as águas, porque depois de muitos dias o acharás. Reparte com sete, e ainda até com oito; porque não sabes que mal haverá sobre a terra. Ressignifique o medo de perder pelo repartir. Reparta conhecimento, reparta possibilidades. A tendência da escassez é reter. Hoje eu observo que durante muito tempo investi na vida de algumas pessoas, não esperando um retorno ou um pago, investi por amar o que faço e querer o bem delas. Não retive para mim sabedoria e conselho, o que tinha repassei. Hoje sinto que muito do que fiz volta, por meio de outras pessoas investindo em minha vida e em quem eu sou. Você está sentindo o seu coração querendo reter? Está achando que vai perder? Lança o pão sobre as águas. Apesar da demora de muitos dias, você irá receber, basta que haja tranquilidade para fazer o investimento e a paciência de esperar.

4. Cuidado com a percepção que está tendo das situações. Entenda o custo de oportunidade.

Sua percepção é tudo. Se percebe falta, vai ver falta, se percebe oportunidade, vai ver oportunidade. Nem tudo que você interpreta como escassez, é falta. Existe o custo de oportunidade. Entenda que você está pagando para ter uma oportunidade para colocar em prática o que não colocaria em outra situação. Por exemplo, ao você perder um cliente sobra um tempo mais livre, com esse tempo mais livre, você tem a oportunidade de colocar em prática aquilo que não colocaria em outra situação. Está lhe custando algo, mas é uma oportunidade. Pode ser o tempo de iniciar aquele projeto de muito tempo, aquele negócio que você não tinha coragem, ou ainda percebeu que o desenho que tinha feito para esse empreendimento não funciona no cenário atual e precisa remodelar. Pode ser o momento de enfrentar um medo e dar um passo adiante. Momento de florescer ao invés de murchar e secar.

Com esses passos quero ajudá-lo na transformação de sua vida ao eliminar medos e destravar o seu potencial para maior autoconfiança, leveza, bem estar e entusiasmo alcançando prosperidade e abundância. Eu lhe convido a essa jornada e não ao confinamento do contar as poucas moedas que tem no bolso, mas desenvolva pensamentos de apreciação, doe ao invés de reter, enfrente seu medo de perder e entenda o cenário como custo de oportunidade.

Deixe uma resposta

Eduardo Rodrigues criou o método de desenvolvimento humano denominado Inteligência C.R.E.S.C.E.R, caminho que tem como alvo seu crescimento e maturidade pessoal e profissional através do autoconhecimento. Saber acessar as dimensões do ser, do conviver e do fazer é fundamental para que você não viva pelo medo, mas firme e alicerçado nos 7 pilares de sua essência.

SRTVS Quadra 701  Bloco “O” loja 03

Asa Sul – CEP 70340-000 – Brasília – Brasil

 

(61) 3037 – 5002 | (61) 9.8364-1539

Cadastre-se na nossa newsletter e receba novidades: